Intolerância Alimentar

 

Sobre o exame

Alimentação adequada
Saúde para toda vida.

"O que é alimento para alguns poderá ser veneno para outros"
Lucretius

O sistema imunológico do intestino é o maior e o mais importante de todo o organismo.

Mais de 80% das reações imunológicas tem sua origem no intestino que garante uma barreira quase intransponível contra bactérias, vírus, e outros agentes patogênicos assim como contra proteínas de alimentos ou frações de proteínas reconhecidas como substâncias estranhas.

No entanto, a integridade desta parede intestinal poder estar, muitas vezes danificada por medicamentos, infecções, microrganismos, estresses e toxinas ambientais, permitindo assim entrada de partes de nutrientes ou proteínas não totalmente fragmentadas entre as células.

Estas substâncias e/ou fragmentos de proteínas são reconhecidos pelo sistema imunológico como elementos estranhos e agressores e são combatidos pelo sistema imunológico que produz anticorpos contra esse alérgeno.

Ao ingerir este alimento regularmente ocorrem reações imunológicas repetitivas que estimulam processos inflamatórios.

A experiência demonstra que na maioria dos casos são os alimentos ingeridos diariamente que causam estas inflamações nomeadas de hipersensibilidade alimentar ou alergias tardias.

As alergias alimentares tardias são classificadas na literatura médica como alergia do tipo III e são mediadas pela imunoglobulina G, que produz um anticorpo chamado anticorpo IgG, e denominamos genericamente o teste como Intolerância Alimentar mediada por IgG.

As manifestações de hipersensibilidade alimentar ou intolerância alimentar são geralmente tardias e pode se iniciar muito depois do primeiro contato com o alimento.

Diferentemente das alergias clássicas, mediadas por IgE que causam reações imediatas, com sinais e sintomas bastante conhecidos e relativamente de fácil identificação, tais como reações cutâneas e inchaços, as "alergias" mediadas por IgG são caracterizadas por processos inflamatórios e poderão ser reveladas através de sinais e sintomas pela deposição de complexos imunológicos em vários tecidos ou órgãos.

DIFERENÇAS ENTRE ALERGIA CLÁSSICA E INTOLERÂNCIA

tabela de diferança entre alergia e intolerância alimentar

 

221 Alimentos

Teste Elisa Microarray, mediado por IgG, simples e não necessita de jejum.
Novo ensaio baseado na tecnologia Microarray. Inicialmente criada para estudos de DNA e expressão gênica, foi estendida para testes de detecção e quantificação de anticorpos IgG para 221 alimentos específicos responsáveis por processos de hipersensibilidade e intolerância alimentar.

No Brasil existem apenas 3 (três) equipamentos para realização desse exame, e em Minas Gerais somente 1(um), que se encontra em Juiz de Fora no Lemos Laboratórios.

Alimentos Invertigados:

Leite e ovos: alpha-lactoalbumina, beta-lactoalbumina, caseína, leite de cabra, de búfula, de ovelha, de vaca, clara de ovo, gema de ovo.

Peixes, crustáceos e frutos do mar: alga espaguete, alga espirulina, alga wakame, ameijoa, achova, craca, bass, carpa, caviar, marisco, berbigão, bacalhau, caranguejo, lula, pargo, enguia, hadoque, hake, arenque, lagosta, cavala, tamboril, mexilhão, polvo, ostra, pescada, lúcio, solha, molusco de navalha, salmão, sardinha, vieiras, camarão/gamba, linguado, calamar, peixe espada/peixe agulha, trutas, atum, rodovalho, búzio/caramujo.

Frutas: maçã, abricó/damasco, abacate, banana, amora preta/silvestre, groselha preta, mirtilo/uva-do-monte, cereja, cramberry, tâmara, figo, uva, graperfruit, goiaba, kiwi, limão, lima, lichia, manga, melão, amora, nectarina/pêssego careca, azeitona, laranja, mamão, pêssego, pera, abacaxi, ameixa, romã, uva passa, framboesa, groselha, ruibarbo, morango, tangerina, tomate, melancia.

Grãos: cevada, trigo sarraceno, milho, cuzcuz, trigo duro, linhaça, glúten/gliadina, malte, painço, aveia, polenta, quinoa, arroz, farinha de centeio, espelta/tipo de trigo, transglutaminase, trigo, farelo de trigo.

Ervas e especiarias: aloe vera, anis, manjericão, loro, camomila, pimenta caiena, canela, cravo da índia, coentro, cominho, curry/mistura de especiarias, dill/aneto, alho, gengibre, ginko biloba, ginseng, lúpulo, alcaçuz, manjerona, hortelã, mostarda, / semente de mostarda, urtiga, noz moscada, salsa, pimenta do reino, pimenta vermelha/pimenta de cheiro, alecrim, açafrão, sálvia, estragão, tomilho, baunilha.

Carnes: carne bovina(boi/vaca), cabrito, frango, pato, cavalo, cordeiro, avestruz, carne bovina(touro), perdiz, porco, codorna, coelho, peru, vitela, veado, javali.

Nozes e castanhas: amêndoa, castanha do pará, castanha de caju, coco, avelã, noz de macadâmia, amendoim, pinhão, pistache, chufa, noz.

Vegetais: amaranto, alcachofra, aspargos, fava, feijão verde, feijão vermelho, feijão branco, beterraba, brócolis, repolho de bruxelas, repolho, repolho roxo, alcaparra, cenoura, couve-flor, aipo, acelga, grão de bico, chicória, pepino, erva-doce, abóbora japonesa, alho poro, lentilha, alface, abobrinha, cebola, ervilha, pimentão/mistura, batata, rabanete, rúcula, chalota, soja, espinafre, batata doce, nabo, agrião, iúca.

Outros: agar-agar, cana de açúcar, vagem alfarrobeira, castanha portuguesa, semente de cacau, café, noz de cola, mel, cogumelos, colza/canola, semente de gergelim/sésamo, semente de girassol, tapioca/mandioca, chá preto, chá verde, fermento padaria, levedura (cerveja).

 

Como coletar

Utilize nosso kit para realizar a coleta do material.

No kit contém os seguintes itens:

02- Swab higienizador com álcool
02- Curativos
01- Microtubo heparinizado
01- Porta Microtubo
02- Lancetas descartáveis estéreis
01- Seringa de 1 ml
01- Agulha


Coleta:
Poderá ser realizada com utilização de lanceta ou seringa.
Não é necessário jejum.
Pacientes que tenham feito o uso de medicamentos a base de corticoides, aguardar 15 dias após o usuo para realizar a coleta.

Leia atentamente as instruções. Caso tenha dúvidas ligue para (32)3257-3200.
Não inicie a coleta sem estar seguro que entendeu as instruções.


Coleta com lanceta

• Lave as mãos com água morna. Este procedimento ajuda a amaciar a pele e contribui para um bom fluxo de sangue.
• Higienize o dedo a ser picado com o Swab de álcool fornecido. Deixe secar. Não assopre.
• Remova a tampa da lanceta.
• Massageie o dedo desde a base até a ponta para promover um bom fluxo de sangue.

1- Remova a tampa do Microtubo.

2- Encaixe a tampa na parte inferior do microtubo

3- Posicione e pressione a lanceta contra o dedo a ser picado até sentir uma leve picada indicativa que a pele foi perfurada.
• Massageie o dedo da base até a ponta para que se promova o escoamento do sangue através da formação de gotas.
• Posicione o microtubo junto a gota de sangue.
• Preencha o microtubo até a marca indicada do mesmo.


4- Remova a tampa da parte inferior do microtubo e tampe

5- Com movimento de inversão misture levemente o sangue por 10 vezes. Não agite.
• Coloque o microtubo no tubo de transporte de amostra e este no envelope resposta.
• Coloque o envelope resposta no correio - SEDEX.


Coleta com seringa:

* Atenção: Em casos de coleta com seringa, solicite um profissional da área para realizar a coleta.

1- Remova a tampa do Microtubo.

2- Encaixe a tampa na parte inferior do microtubo

3- Colher o sangue até 0,5ml (meia seringa de 1ml).
• Retire a agulha e transfira cuidadosamente (devagar) o sangue para o microtubo.
• Preencha o microtubo até a marca indicada do mesmo.


4- Remova a tampa da parte inferior do microtubo e tampe

5- Com movimento de inversão misture levemente o sangue por 10 vezes. Não agite.
• Coloque o microtubo no tubo de transporte de amostra e este no envelope resposta.
• Coloque o envelope resposta no correio - SEDEX.